D. Pedro IV no Palácio dos Carrancas

No seio da Guerra Civil entre liberais e absolutistas, o exército liberal desembarcou em Pampolide entrando na cidade em 9 de Julho de 1832.

D. Pedro IV instalou-se no Palácio dos Carrancas, dirigindo daí as operações durante o Cerco do Porto (Julho de 1832 a Agosto de 1833) montado pelos absolutistas.



Carta Topográfica das Linhas do Porto
Coronel Francisco Pedro Moreira
História da Cidade do Porto, Tomo II, pp. 28-29, Luz Soriano
179 Grav MNSR

Retrato de D. Pedro, Duque de Bragança
José Joaquim Rodrigues Primavera, 1833
146 Lit CMP/MNSR
Retrato do Infante D. Miguel
179 Grav CMP/MNSR




























A Crónica Constitucional, órgão oficial do governo liberal era editada a partir do “Paço no Porto”.


Assinalada na planta “Porto e Arredores, Linhas de D. Pedro e Posições do Exército de D. Miguel” a “Residência de D. Pedro” no Palácio dos Carrancas.

Porto e Arredores, Linhas de D. Pedro e Posições do Exército de D. Miguel
93 Lit CMP/MNSR

Porto e Arredores, Linhas de D. Pedro e Posições do Exército de D. Miguel (pormenor)
93 Lit CMP/MNSR













“The Emperor took up his residence at the house of one of the richest man in Portugal, a perfect palace, commanding a beautiful view of Villa Nova and the country towards Coimbra”

Narrative of the Expedition to Portugal on 1832, under the orders of His Imperial Majesty Dom Pedro, Duque of Braganza, by G. Loyd Hodges Esq. London: James Fraser, Regent Street, 1833, Vol I, p. 312

(…) As illuminações e fogos de artificio, que na cidade se tinham feito para commemorar o dia 12 de Outubro, anniversario do nascimento de D. Pedro, haviam atraído grande numero de bombas e granadas, occasionando a morte de varias pessoas, e o ferimento de outros. Desde então o bombardeamento tomou por alvo mais especial a casa dos Carrancas, onde na Torre da Marca residia D. Pedro, dirigindo-se contra ella na noite de 28 do mesmo mez grande numero de bombas e granadas, e tão certas se projectaram algumas, que no immediato teve elle de mudar de quartel, passando desde então a morar na rua de Cedofeita (…) 

História do Cerco do Porto : precedida de uma extensa noticias sobre as diferentes phases políticas da monarchia desde os mais antigos tempos do anno de 1820 e desde este mesmo anno até ao começo do sobredito cerco, por Simão José de Luz Soriano, Lisboa, na Imprensa Nacional, 1849, vol. II, p. 61

A 28 de Outubro de 1832 um ataque da artilharia miguelista colocada em Vila Nova de Gaia atingiu o Palácio dos Carrancas - o incidente levou D. Pedro IV a mudar a residência para a rua de Cedofeita.

Ordem de mandar entregar os objectos para uso da
Caza do Duque de ragança
30 de Outubro de 1832
AHP Livro 26 de Próprias, A/ PUB/ 802, F1. 318
Relação dos objectos necessários p. a Caza de S.M.I.
o Snr. Duque de Bragança
30 de Outubro de 1832
AHMP, Livro 26 de Próprias, A/ PUB/ 802, F1 319






























A rua dos Quartéis, por deliberação da Câmara Municipal do Porto em 1838, passou a designar-se rua do Triunfo para comemoração da vitória liberal.

Planta da Cidade do Porto (pormenor) 
Litografia 
Camille Mangeon 
86 Lit CMP/ MNSR
D. Pedro IV regressou à cidade do Porto e ao Palácio dos Carrancas em Julho de 1834 acompanhado pela sua filha, a rainha D, Maria II, para assistir às comemoração do 1.º aniversário do final do Cerco do Porto e da vitória da causa liberal



Paço no Porto, 28 de Julho 1834 



SS MM. Fidelissima e Imperiaes passao sem novidade em sua importante saude 

S. M. Imperial o Duque de Bragança sahio a passeio às 7 horas da manhã, e recolheo-se no Paço ás 8. 

Á uma hora da tarde houve beijamão, estando SS MM Fiedelissima e Imperiaes accompanhados da Marqueza Camareira- Mor e das Damas de S. M. Fidelissima,a Duqueza de Terceira e D. Maria das Dores de Souza Coutinho – do Ministro d´Estado dos Negocios da Marinha - dos Camaristas, Marquez de Santa Iria e Almeida – dos Marechaes do Exercito, Duque de Terceira e Marquez de Saldenha.







Paula Oliveira

Sem comentários:

Publicar um comentário