Clube dos Carrancas

SEMENTEIRA ALAGADA


Esta Primavera, as carranquinhas puseram em andamento um projecto de horta e pequeno jardim em que andavam a laborar já há um tempo.
Começaram por fazer uma sementeira variada (abóboras, cenouras, alfaces e algumas flores), nuns recipientes pequeninos, como convém! Ao fim de duas semanas lá começaram a despontar uns sinais de vida nos pequeno vasos e daí em diante foi vê-las crescer.
Depois chegou a altura de escolher um espaço na cerca do Museu, para onde pudessem transplantar-se para crescerem mais à vontade. No entanto, devido aos rigores do inverno - que este ano se estenderam primavera dentro - a prudência aconselhou a que se resguardassem os jovens rebentos por mais algum tempo e a transplantação foi sendo protelada e os pequenos vasos, já verdejantes, foram ficando na oficina onde as carranquinhas habitualmente trabalham.
Estavam bem bonitos, irresistíveis mesmo! O pessoal do museu que por ali circula em funções várias, desde as oficinas de cerâmica à limpeza e às rondas de segurança, todos se encantavam com aquela hortazinha em potencial e vai daí ninguém resistia ao impulso de a “cuidar”. Aqueles rebentinhos pequeninos ali mesmo a pedir para serem regados e “mimados”… e todos “mimaram” a sementeira… e todos a foram regando: uma regadela atrás da outra e as regadelas foram-se somando, até que a sementeira das carranquinhas acabou por ficar a nadar!
E assim se condena uma colheita promissora por excesso de zelo. Resta-nos esperar pela próxima época de sementeira (e talvez reforçar a sinalética de proibição).